arquitetura-streetarte_bue3Eu gostei muito de Buenos Aires e moraria lá tranquilamente. Ao andar pela Recoleta e Palermo – que são bairros excelentes – fica clara a influência europeia na arquitetura. O cheiro de lá parece de lanolina/talco, não sei explicar, mas é uma delícia. Quando eu sentir o tal cheiro de novo serei transportada para lá, fato. O porteño tem a mesma fama do curitibano: de ser antipático e fechado. Não achei tanto, mas deve ser porque estou acostumada com esse tipo de gente. Teve algo muito engraçado: eu e minha mãe estávamos passeando pela Recoleta à noite e um senhor que estava fazendo mudança derrubou um copo. Eu o ajudei a pegar e ele começou a xingar o copo “hijo da puta, já é o terceiro que quebro (tudo em espanhol). Eu morri de rir. O povo de lá é meio desencanado com palavrão <3. Ah, falando em andar à noite e a pé: é tranquilo dependendo do bairro que você está, é claro. Na Recoleta é bem ok. O portuñol é aceitável por lá, PORÉM, você tem grandes chances em ser enganada com preço y otras cositas más. Como a inflação de lá está triste, não dá para fazer a festa como no Paraguay, por exemplo. Mas vou falar sobre isso no terceiro e último post. 

Eu sou people watcher por natureza, então segue várias coisas que reparei:

Taxistas / Vendedores / Garçons

Vou falar sobre minha experiência com cada um deles. Muitos taxistas não puxavam conversa quando percebiam que eu era brasileira. Eu sempre entrava no carro com um “Hola, que tal” e ele desanimava quando eu tentava conversar em portuñol. Eu só tive sorte com três taxistas que eram super legais e receptivos, o restante era bem fechado e um deles tentou me enganar porque colocou a tarifa da NOITE. Quando eu percebi, desci num semáforo parado. Para facilitar: chegue no Hola, que tal – fale o nome da rua com sotaque espanhol mais carregado e diga gracias. Pronto. Em nenhuma corrida paguei mais de 40 pesos, sempre dava 20 (7 reais) ou 30 (8 reais), no máximo 35 pesos (12 reais).  Para San Telmo deu mais caro, mas rachei com um casal e foi tranquilo.

Os vendedores eram simpáticos, outros forçados e outros grosseiros. Quando entrei em uma lojinha na Bond Street, a menina só me atendeu quando viu que eu era tatuada e tenho certeza que ela aumentou o preço da presilha que levei. Eu tenho mania de perseguição, daí já viu. Teve uma outra vendedora na Bond Street que era um amor, super simpática e solícita, tentou um portuñol e me mostrou várias coisas legais (não levei nada da loja dela porque era tudo caro, hahaha). Assim, não dá para generalizar, né? Em qualquer canto no mundo é assim. No Brasil é assim. Pronto e acabou. Minha dica é: tenha educação SEMPRE e tente comprar coisas etiquetadas.

Os garçons são os mais legais! Eles sabem que um bom atendimento é tudo e muitos deles sabem lidar com os turistas. Com um deles super arrisquei meu portuñol e deu certo, em outro lugar ganhei uma taça de champagne e no Hard Rock Café ganhei um sorvete delicioso porque era meu aniversário. Fui bem atendida em todos os restaurantes e cafés, sem exceção.

Perros

Quem ama cachorros e gatos fica doido em Buenos Aires. Em todo bairro que passei tinha alguém passeando com seu bicho de estimação e/ou os passeadores de perros. Vi velhinhas com seus yorkshires caminhando às 22h na Recoleta, moços carregando mais de seis cachorros, crianças brincando com eles no parques etc. O problema é a sujeira: muitos não recolhem e fica aquela coisa marrom amassada na calçada. A maioria é cachorro de raça, raro ver um vira-lata ou um cachorro perdido na rua. Andando perto do Teatro Colón encontrei um rapaz com dois cachorros vestidos com uma roupinha do Refúgio de Animales (foto mais embaixo). O passeador de perros tem registro profissional e precisa comprovar residência em BsAs. Segundo uma guia, eles ganham 500 pesos (183 reais) por cachorro. Aqui tem um matéria bacana a respeito dos mascotes argentinos. Os gatos ficam nos pontos turísticos da cidade: Caminito, Cemitério da Recoleta etc.

perros4
estava na cidade inteira. espero que tenham encontrado
perros
eles são bem comportados. esse cara parou no semáforo e todos ficaram sentados esperando atravessar a rua
perros2
esse loiro do meio latia pra caramba. quando o passeador voltou, ficou quietinho <3

perros6

perros3
esse é de uma campanha de adoção <3 proibido abandonar os bichinhos!
la boca 3
gato preto no caminito

perros5

Arquitetura

Como já comentei, a arquitetura de BsAs é inspirada na europeia (Espanha e França, principalmente). Os imigrantes mais ricos iam para Europa e levavam a inspiração (e materiais). Por isso tem bastante coisa de Art Noveau, Neo-gótico, Art Deco etc. Em San Isidro, por exemplo, a influência inglesa é a mais notável porque a imigração british de lá é bem forte. Tem escultura espalhada pela cidade inteira, algumas foram presentes e outras homenagens.

arquitetura-25 mayo

arquitetura-arvere noizes
árvores centenárias com raízes gigantes <3

arquitetura-centtro 2

arquitetura-igrejita
do lado da Catedral Metropolitana
arquitetura-recoleta propos
Mão Feita indahouse

arquitetura-streetart-guid

arquitetura-centro

arquitetura-strett

Ruas

É limpo, pero no mucho. Minha mãe percebeu que é raro encontrar lixeiras e é verdade. Eles adoram neon, placas gigantes, luminárias e tarot. Os ônibus são antigos e bem ajeitadinhos. Uma pena que não consegui andar em nenhum.

rua-streetarte-bue6
Primeira foto que tirei! Frutaria lindinha na Recoleta
rua-streetarte-bue4
Homenagem Evita Péron
ruastreetarte-bue5
Av. Corrientes – muitos espetáculos por lá
streetart
Cabine telefônica à la London. Esses são perto do Cemitério
rua-streetart_bue7
Show do Muse FAIL
rua-streetart_bue10
Os ônibus são old school total. alguns tem ar condicionado, mas a maioria é simplão

rua-streetarte-bue2

streetarte-bue3

Chicos y Chicas / Señor y Señora

Percebi que as meninas de lá são estilosas, nada muito diferente daqui só que um pouco mais cafonas. Elas usam coques no alto da cabeça (gostei disso) e adoram plataformas. A maioria não é bonita, mas tem seu charme. Os meninos são beeem bonitos, só que baixinhos. Eles têm algo no olhar que hipnotiza, não sei explicar, mas é diferente do brasileiro. Com certeza eu cairia na lábia de algum argentino, coisa que tá difícil por aqui. Os dois (chicas y chicos) rebolam muito, são bem milongueiros.  Os dentes. Ah, os dentes! Eles não curtem dentistas, fato. Eu reparo muito na corega alheia e levava um susto quando encontrava alguém meio banguela ou com a chapa podre. NÃO É FÁCIL, HEIN. UI.

foto

Saúde da galere: lá tem vários parques e não é raro encontrar alguém correndo ou indo trabalhar de terno e gravata, mas em cima de uma bicicleta. Achei isso muito digno. Tem aquelas bicicletas para alugar (são amarelas) e deve facilitar muito. Em Puerto Madero, a galera anda bastante de skate e roller. Passei em um parque com um pessoal jovem fazendo exercício com um personal (foto acima). É raro encontrar alguém gordo, as meninas são magras e os meninos atléticos.

Velhinhos que não faltam (são bem arrumados) e achei uma senhora perto do Cemitério da Recoleta que era MUITO parecida com minha vó. Me deu um negócio e nem sei como tirei a foto dela:

streetart_bue8

Street Art

Tem bastante como qualquer cidade grande. Achei várias legais, só que não consegui tirar foto de tudo, é claro.

streetartss

streetart-bue6

streetart_bue3

streetart_bue_4

streetart_bue9

Vitrines

Eles levam a vitrine bem a sério (estão certos). É muito difícil encontrar algo mal montado, a maioria é bem criativa e bem ajeitadinha. Dá vontade de entrar na loja para conhecer (WIN).

vitrines

streetart_bue

streetbue

 

recoleta 2

1610-bullrich

La Boca / Caminito

Ali é o lugar mais interessante para tirar foto. Tudo é colorido e com placas legais. Porém, somente um pedaço é bonito, o resto é bem simples e até perigoso.

la boca - bombi
O estádio do Boca Juniors, La Bombonera

la boca diegito

la boca 5

caminito

la boca 7

la boca 44

la boca 1

la boca

No meio da semana solto o último post de comprinhas ;)

Leia também a Parte 1 – Diário de Bordo.

2 Comentários em Wanderlust: Buenos Aires | Parte 2 – Lifestyle

  1. Nossa que eu quase enfartei com um taxista barbeiro pra caralho em Buenos Aires, foi uma experiencia de panico puro o jeito que ele dirigia bem louco, cortando o transito. E tenho certeza que cobrou a mais na corrida!

    Nao reparei muito no povo (hahaha fail!) mas isso dos passeadores de cachorros chamou a atencao mesmo, nao tem como nao notar. Aqui nao tem isso, pouca gente tem cachorro e sao os proprios donos quem levam os bichos pra passear.

    • HAHAHA teve um que correu além da conta também, mas ele era legal. só não andei de bus porque estava com minha mãe, heh. íamos pegar um para o jardim japonês, mas nos perdemos hahahaha

      eu reparo bastante, nem adianta. people watching é um hobbie meu. adoro observar as pessoas e como elas se comportam. eu achei muito bacana esse lance do cachorro, as pessoas amam um bichinho de estimação <3

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Comentário *