beth-hony-2-1
Todo mundo em minha volta está em um relacionamento, exceto euzinha. Toda vez que alguém diz que gosta de mim, logo eu falo “eu  também me gosto”. Talvez eu faça isso para mostrar que sou confiante, que me amo, e não sou insegura”

Eu já comentei aqui que sou apaixonada pelo Humans of New York. Acho simples, honesto e encantador. As pessoas se abrem para o mundo mesmo, o que é encorajador. A menina acima não está em um relacionamento, bem como minha tradução toscona explica. Realmente ela deve tentar se amar e, obviamente é insegura, por isso posou de costas (pelo menos é bem humorada). Realmente não é tarefa fácil estar em um relacionamento. As pessoas têm vários problemas, medos, inseguranças, traumas. Eu, por exemplo, tenho um monte. Mas o que prometi para mim mesma que, se o medo surgir, vou enfrentá-lo, mas não vou mais fugir de algo que pode ser bom. Não acho justo comigo mesma, sabe? Posso enfrentar sozinha, mesmo que a outra pessoa desista (o que é muito comum e acontece/u dezenas de vezes, desde os meus 15 anos, precisamente), mas não posso desistir de ser feliz. Atrás do medo, existe a coragem. E é tão bom estar com coração preenchido, ter alguém para trocar ideia, dar risada e ficar pensando durante o dia, né? Eu assumi que sim, sou romântica, sensível e mereço algo bem legal :)

Voltando ao Humans of NY, acho importante ler os comentários. Eles dão continuidade ao lance de repartir experiências, parece uma terapia em grupo. Daí nesse mesmo post (aqui), li esse maravilhoso, esperançoso (minha tradução não tá mega literal, mas dá para entender):

beth-hony
Eu vivi isso. Exatamente isso. Todos os meus amigos casaram, compraram casas, começaram a ter filhos. Todo mundo estava em um mundo adulto, enquanto eu crescia por minha conta. Quando eu tinha 30 anos, eu conheci minha alma gêmea. Isso foi há quase 16 anos. Nós estamos casados há 14 anos, e tem sido incrível. A pessoa certa não dará o fora; será paciente, mas persistente; e quando ele for o certo para você, ele irá vê-la através do muro e não se importará, porque vai aceitá-la do seu jeito e irá apreciá-la. Todas suas defesas irão cair tão rápido, que você não saberá o que te atingiu. De repente, tudo que não estava ok, ficará TÃO ok, que você não vai parar de sorrir, e se tornará cada vez mais irresistível. Como mulher que pensou cada canção sobre dor de cabeça e solidão foi escrita para mim, eu posso dizer honestamente que o outro lado de cada canção, livro, e filme sobre amor verdadeiro é real. Não desista. Não se feche completamente, mesmo que você esteja no modo “proteção”. Deixe sua porta um pouco aberta, e quando for o certo, você abrirá sem medo, apenas com alegria. Enquanto isso, seja você e tenha orgulho disso. A vida não é sobre marido/mulher, é sobre sobreviver e ter bastante diversão a cada dia. Boa sorte e nunca esqueça que mesmo nos momentos mais silenciosos, você é uma rock star.
Espalhe por aí:

2 Comentários em Humans of NY: Tendo calma

  1. <3 <3 <3 o mais bacana na vida é quando, finalmente, a gente se liga que joguinhos de amor são inúteis e imbecis. quando é a hora/ o cara certo, esses jogos perdem totalmente a utilidade. o que sobra é a simples e pura vontade de estar juntos, no matter what, sem neuroses <3 <3 <3

    está certíssima você. não tem porque desistir. tem que manter o coração aberto e a alma em paz. sempre.

  2. HONY é amor demais, so many feels, a gente tem tanto em comum com pessoas tão diferentes em certos aspectos.

    acho que a reação natural é se fechar mesmo, se guardar. mas se você ergue uma muralha, tudo fica de fora, o que poderia te fazer sofrer e o que poderia ser exatamente aquilo que você procura. então é melhor ter só um murinho em pé, pros babacas tropeçarem mas pros bons conseguirem pular sem dificuldade. ;)

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Comentário *