Quando você nasce mulher, já vem com uma obrigação social em ter filho. É um fato que quase toda mulher pensa a respeito, seja pro sim ou pro não. O homem, por outro lado, não vem com a missão certeira em ser pai. Mas não quero falar sobre gêneros, quero falar sobre querer ou não ser mãe. Devaneios:

Eu não sei. No alto dos meus 30 anos nunca senti aquela onda forte uterina, se posso chamar assim (inventei esse termo agora, sou dessas). Óbvio que me emociono com crianças, mães e tudo mais. Me emociono MESMO. Acho belíssimo, mas ser mãe de um ser humano é brutal. Digo assim, pois acredito que nenhum tipo de maternidade deve ser negada: você pode ser mãe de gente, de cachorro, gato, boneca, até de um chinelo. Se você cuida e ama incondicionalmente e se vê como mãe, sim, você o é. Não queira tirar o direito da maternidade de ninguém, ok? Mas sabemos que ter um filho humano é muito intenso, a responsabilidade realmente vai ao um nível louco. Isso é inegável.

madonna lou

Quando falo sobre maternidade lembro muito da fase Ray of Light da Madonna, logo que ela teve a Lourdes Maria. Tem uma música – Nothing Really Matters – que é a respeito da maternidade e suas mudanças, acho incrível a letra. Simples, forte e incisiva! O clipe então é coisa de doido, ela tá de gueixa! Foi uma mudança e tanto para alguém hedonista, né?

When I was very young
Nothing really mattered to me
But making myself happy
I was the only one

Now that I am grown
Everything’s changed
I’ll never be the same
Because of you

Eu nem sei que fase da Madonna me encaixo, mas não chega perto de ROL. Enfim, conheço uma pessoa que nasceu pra ser mãe: a minha. Ela enxerga a maternidade como algo sagrado – que realmente o é – mas indiscutível, muitas vezes. Por ter lutado muito para ser mãe, sempre achou um despautério uma mulher não querer sê-lo. Às vezes acho que entrei na vida dela até para balancear isso tudo. Nós somos yin e yang, mãe e filha. Hoje em dia, ela entende meu ponto vista. E tenho certeza que se eu engravidasse sem querer, mesmo não tendo condições em criar, ela daria o jeito dela. E não quero isso. A criança não tem culpa das cagadas dos adultos.

malevola

Acho que tenho medo em me vir como mãe. Serei aquela super protetora? A estabanada? A não carinhosa?

Marcar alguém é muito perigoso. A criação e formação intelectual/humana/religiosa-ou-não/cultural/etc de um serumaninho (hehe) vai depender bastante de mim. Estou pronta para fazer a criança correr este risco? A verdade é que nenhuma mulher está 100% pronta pra ser mãe, né não? Sempre existirá dúvidas, medos, entre outras agruras, por mais que esteja certa disso ou não. Ser mãe é uma profissão eterna de risco. Fato.

Eu, pessoalmente, não tenho esse preparo psicológico e nem físico. Fico nervosa com aquele barrigão esticado com um bebê dentro! É bonito, mas assustador ao mesmo tempo. Não me levem a mal, tá?

Ser mãe é lindo por demais, mas nessa altura da minha vida (ainda) não é para mim. Pode ser que eu sinta AQUELA contração uterina e venha a certeza que eu precisava (junto com estabilidade emocional e financeira para que eu possa amparar a criança com decência). Mas agora não, não é pra mim. No mais, tendo ser minha própria mãe porque preciso aprender a me cuidar também.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Comentário *