Cinema

Sobre identificação: Céline

Eu me identifico com várias personagens do cinema, mas a Celine do Before Sunrise/Sunset/Midnight a empatia é muito forte. Me sinto completamente representada, como se ela falasse por mim. Não sei explicar direito, porém, se você pedisse para escolher apenas UM personagem que seria exatamente como eu, a Celine é THE ONE. Nem a Julie do Bleu consegue me representar assim, apenas algumas partes. A única coisa que não tenho em comum é esse amor louco de uma viagem que dura tanto tempo. O desencontro sim, já aconteceu muito. A Celine é inquieta, tem um lado sombrio, romântico, medroso, é divertida, sagaz… Olha só:

Before Sunrise

O primeiro filme (Antes do Amanhecer, 1995) é quando a Celine e o Jesse se encontram numa viagem de trem e passam o dia juntos. Ali eles conversam sobre a vida, amores, desencontros, família etc. O diálogo é muito rico e a identificação é imediata. Mesmo sendo jovens, as preocupações e insegurança ainda nos representa.

before-sunrise
sim, sempre foi e sempre será. antes dela falar isso, ela diz: as pessoas gostam de fazer graça com esse assunto, mas o amor é importante
before-sunrise2
toca aqui, Celine Cardoso
beforesunrise3
Lembro que quando assisti de novo este filme, eu, como meus 20 e pouquinhos anos, estava sofrendo horrores e obcecada com um rapaz que nem gostava. Ele não tinha nada a ver comigo, mas no início foi legal e quando ele sumiu, fiquei muito chateada. logo criei uma obsessão com a pessoa que me fazia ficar muito chorosa. SÓ QUE EU NÃO GOSTAVA DELE. E foi quando ela disse isso que percebi que era uma coisa nada saudável que havia criado na minha cabeça por bobagem. e a história dela (antes dela falar isso) era super parecida com a minha. fui curada, gente
before sunrise3
sim, é verdade! quanto mais a pessoa conta sobre ela, mais fico encantada e começo a gostar. se ela tá se abrindo tanto é porque confia em mim e quer compartilhar, né? então, se o cara me conta bem profundas de infância etc, vou guardá-lo pro resto da vida na minha memória, pode ter certeza

Before Sunset

O Antes do Pôr-do-sol (2004) tem uma Celine-Letícia todinha. Depois de 9 anos, Celine e Jesse se reencontram. Eles já estão com 30 anos (oi!). Jesse está num casamento falido e faz sucesso como escritor. Celine continua solteira e quebrando a cara com os boys doidos (oi!), ainda não sabe direito o quer da vida e é extremamente sincera com Jesse. Para mim, a cena mais espetacular é quando ela dá uma surtadinha no táxi e vomita tudo. Até chorei quando assisti pela primeira vez e continuo me identificando (infelizmente, haha). O desgaste emocional dela é nítido nessa cena. Eu, para ser franca, às vezes acho que nunca vou conseguir engatar um romance/namoro. Eu ando tão desgostosa com minha vida emocional/amorosa que acho melhor ficar quietinha do que aguentar bobageira. Nesse filme ela representa muito bem minha frustração com a vida emocional.

beforesunset3
não tem como substituir ninguém por pior que ela seja
beforesunset4
a vida toda escutando: e o namoradinho? vai casar? já encontrou o bofe da vida? cara, mal consigo achar a ponta do durex…. minha vida não se resume se estou com alguém ou não
beforesunset5
sou dessa ideia. quantas vezes me senti bodiada mesmo acompanhada? às vezes queria deixar a pessoa falando sozinha e ir embora. uma vez tive um date que quando o moço falava, só pensava: – o que tô fazendo aqui? poderia colocar meus seriados em dia. para mim isso é o fim do mundo, já que sei me divertir por minha conta. claro que devo ter sido chata para alguns também, hehe
beforesunset6
pode ser o mais tosco, pode ser o que nem se concretizou direito, mas se eu me apeguei um pouquinho que for, vou ficar quebrada por dentro. parece que mais uma vez houve uma falha no sistema amoroso, sabe como? hoje em dia, quando vejo que o cara é cabaço, já saio fora para me preservar. as pessoas dizem: se arrisque, não desista, não seja covarde. porém, é meu emocional que está em jogo, pessoal! eu sei quem sou e sei que fico frustrada
beforesunset7
totally
beforesunset1
word, sista

10802940_401665103317005_336823599_n

[youtube:http://youtu.be/watch?v=TUbgKkn9qFw&w=500%5D

 

Before Midnight

Mais 9 anos se passaram e agora a treta é outra. Celine e Jesse já estão casados e com filhas. Celine está passando por um momento de transição profissional e tem lá suas dúvidas, mesmo sendo algo que sempre quis. O relacionamento tem seus altos e baixos – como na realidade, e mostra as diferenças e dramas do casal. Engraçado que foi nesse filme que gostei mais do personagem do Ethan Hawke que parece mais pé no chão.

before sunrise 4

before-sunrise3

beforemidnight2
ri tanto com essa frase

No fim tudo dá certo, né? Diz que sim! Amém.
julie delpy amen

Filmes que destruíram meu coraçãozinho

Este final de semana assisti a um filme lindo, porém cruel, triste e verdadeiro. Doeu meu coração mesmo, sabe? Queremos finais felizes pelo menos na ficção e quando encaramos um lance mais real no cinema, ficamos chocados e chateados. Eu sabia que o filme (logo irei falar dele, calmae) em questão era pesado e bem dramático, então estava meio que preparada pro pé no peito. Mas, né? Nem quando você está preparado para o pior, atenua o susto e a tristeza. Fiz uma lista de filmes que partiram meu coração:

Dançando no Escuro

dancando no escuro bjork

O Lars von Trier adora fazer o telespectador sofrer, não é mesmo? Pois Dançando no Escuro foi um dos filmes que mais chorei na minha vida. Lembro que o assisti pela primeira vez na faculdade e era em VHS (haha), sai arrasada pra minha casa e fiquei chorando até dormir. É um filme pesadíssimo, de injustiça, ganância, traição, filhadaputagem mesmo. Mas também tem amor, amizade e uma beleza trágica. Depois de um ano que o assisti, não sei porque cargas d’água, resolvi assisti-lo novamente no telecine. Para ter noção: eu CHORAVA na chamada. Na realidade sei sim porque assisti de novo: queria testar se iria sentir a mesma tristeza da minha primeira vez. Sim, senti e me babei toda. Lars sádico e Letícia masoquista, apenas. Bom, o filme é um drama musical e minha vontade em assisti-lo foi por causa da Björk e a Catherine Deneuve. Para saber sobre ele, leia aqui.

Amor

lamour

Um filme que fugia horrores porque tinha consciência que era drama puro. Pois bem, ano passado o Telecine Play o liberou de graça e resolvi assistir. Fiquei chocada, triste, chorei e procurei o post que fiz no meu facebook depois de ter o assistido:

Eu convivi com minha vó dos meus sete aos 20 e poucos anos. passava muito tempo com ela e a vi envelhecendo, perdendo a visão, dando uma leve caducadinha (foi muito rápido, logo ela ficou lúcida). então, em algumas cenas em que Madame Riva (sensacional) fica frustrada por estar naquele estado, instantaneamente lembrei da Dona Santa. Tivemos momentos tensos juntas (nunca vou esquecer quando a vi chorando porque não conseguia colocar a linha na agulha – sendo que ela era uma costureira, bordadeira etc de mão cheia). Meu peito deu um nó gigante ao assistir esse filme, mas realizei o quanto amei (amo) minha vó, tendo em vista que sentia um imenso prazer em cuidar dela. graças a Deus ela ficou lúcida até o fim e teve uma morte muito leve (dormindo), ela merecia. E é isso que você deseja para quem você mais ama: que a morte seja boa, já que é inevitável.  No início de “Amor” meu lado libriana foi muito aflorado, mas logo minha percepção mudou e começou a ficar tudo muito bizarro e tenso. o Amor dessa película é agonizante, não é fácil, mas existiu e muito (do fato que ele cuidou dela SIM e fazia o que podia e não podia). O resto não vou comentar por aqui porque é spoiler, mas vale a conversa. ah, a cena do álbum de fotos me fez suspirar.

Alabama Monroe

alabama monroe

Este é o filme que me refiro no início no post. Ele já começa com um momento mega frágil, onde a filha do casal (Elise e Didier) está em tratamento da leucemia. A narrativa não é linear (confesso que adoro isso) e mostra como o casal se conheceu, quando ela engravida sem querer, a descoberta da doença da criança etc. Tudo isso embalado ao som de um belo bluegrass. O filme é de uma intensidade emocional fortíssima e mostra de forma crua, brutal e realista sobre temas como amor, dor, fé, religiosidade, superação e sexo. É belíssimo, tem uma fotografia de tirar o fôlego e um enredo pra você ficar arrasado. Aqui tem uma crítica bem legal.

tumblr_mxpqhgDblP1qfqouzo1_r3_540
chorei mesmo

 

Oscar 2015 – Só os lindos

Este ano vou dar continuidade ao Oscar Só Lindos. Assisti até metade da premiação e vi o melhor momento de todos que foi o discurso da Patricia Arquette sobre a igualdade de direitos para mulherada do United States of UNIVERSE. Daí teve Meryl deusa-do-cinema Streep e a gata J.Lo vibrando horrores na plateia a fim de nos representar – o que foi algo.

11020785_807217272679661_6122346830205212652_n
“A cada mulher que deu à luz cada cidadão e contribuinte desta nação, nós lutamos para os direitos iguais de todos. É hora de haver igualdade salarial de uma vez por todas e direitos iguais para todas as mulheres nos Estados Unidos da América”. daqui
tumblr_nk7glrPXem1qh9nffo1_500
YES SISTA

Como eu estava cansadona resolvi nanar e no dia seguinte soube que teve outro momento lindo: a apresentação da Lady Gaga e o abraço emocionado com Julie Andrews no final. Não sou fã MESMO de musicais, mas Noviça Rebelde fez parte da minha infância e até sei umas musiquinhas, logo fiquei arrepiada. Foi bonito, veja aqui.

É CLARO que não posso deixar de mencionar os vestidos mais belos (na minha opinião), afinal, o red carpet também é um evento interessante.

Prediletas do Oscar 2015

Achei as escolhas de 2014 bem mais cativantes, mas a Jennifer Lopez, Margot Robbie e Lupita Nyong’o representaram bastante. Cate Blanchett estava deslumbrante com o maxicolar Tiffany turquesa. E simplesmente amei o vestido da Laura Dern porque me lembrou uma armadura medieval chique. Ah, aqui tem post sobre cabelo e make.

oscar-gatas
J.LO com Elie Saab sonho; Margot Robbie de Saint Laurent divo; Lupita vestiu Calvin Klein; Cate Blanchet estava de Margiela; Siena Miller de Oscar de la Renta; Rosamund Pike de Givenchy e Laura Dern de Alberta Ferreti

A festa da Vanity Fair e a Annual Elton John AIDS Foundation bombaram horrores também. As fotos do Mark Seliger para a VF continuam belas:

vanity fair 4
Adam Levine apaixonado
vanity fair 5
Borat, Isla Fischer e baby
vanity fair oscar 2015 5
Jennifer Aniston com esse vestido lindo e seu boy magia Justin Theroux <3
vanity fair 2
Oprah rainha da tv
vanity fair 3
Lady Gaga tombando
vanity fair oscar 2015 6
Mindy amada
vanity fair oscar 2015 7
ESSE CASAL
vanity fair
ESSE OUTRO CASAL

Prediletas da festa Vanity Fair

d211cff60e3b3e5f06cdf1f9a61f2023
Kat Dennings vestiu Lawren Sample. AMEI
vanity-baila
Jane gata Fonda de Diane von Furstenberg; Lily Collins e Sofia Vergara de Zuhair Murad; J.Lo também estava de Zuhair Murad e errou só nessa pele desnecessária. Ensinando os boy: TOM FORD <3 Fotos daqui

Para encerrar com muito amor

oscar fechando

ROTAROOTS – 5 Filmes para o Oscar da vida

Um meme do ROTAROOTS para fechar a semana. A brincadeira é: indicar cincos filmes novos ou velhos para Oscar – que está chegando, inclusive. São filmes que marcaram a vida e prometi que não iria colocar Amadeus, A Liberdade é Azul, Scarface e outros que sempre cito. Vou diversificar um pouco, ok?

Melhor é Impossível

Oscar de melhor evolução de personagem

good as get

Já perdi a conta de quantas vezes assisti este filme e só posso dizer que o amo muito! Adoro ver a evolução do personagem do Nicholson que tem TOC severo e é um escroto de carteirinha. Tirar alguém da misantropia não é fácil e precisa muita paciência. Eu nem precisaria indicar este filmaço pro Oscar porque o Jack Nicholson ganhou como melhor ator e a Helen Hunt como melhor atriz. Se você ainda não assistiu, não perca mais tempo!

Ghost World

Oscar de melhor filme que ninguém dá valor

ghost world

Outro filme que assisti diversas vezes e, para minha surpresa, foi indicado para Oscar de Melhor roteiro adaptado em 2001. Não sabia mesmo e achei MUITO legal. Esse filme é sobre pessoas que não conseguem se encaixar direito na sociedade por “n” motivos, mas possuem empregos e vidas normais. Vale a pena, pessoal!

O Iluminado

Oscar de melhor terror psicológico

the shinig

Um clássico, um sucesso, um amor do meu coração. Lembro que assisti pela primeira vez com uns 13/14 anos e nunca mais larguei desse maior terror psicológico cinematográfico. Tenho camiseta, um DVD antigaço, já pendurei uma foto do Jack Torrance atrás da porta (quando morava sozinha) e me borro de medo do Overlook Hotel. Só não li o livro, shame on me. Merecedor do Oscar eterno.

Gritos e Sussurros

Oscar de melhor filme intimista

cries 1

Teve uma época que assisti vários filmes do Bergman e fiquei chocada com a ousadia e beleza da direção desse sueco. Ele era muito fora do tempo dele, muito mesmo. Gritos e Sussurros é um dos meus prediletos. É um filme pesado sobre morte, sofrimento, amor fraterno. E é bem colorido, apesar de tudo. Fui pesquisar se ele tinha sido indicado ao Oscar na época (1972) e descobri que foi como melhor filme e não como melhor filme estrangeiro, o que foi algo inédito.

Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças

Oscar de melhor filme mimimi

7-Eternal-Sunshine-of-the-Spotless-Mind-quotes

Jamais fujo do clichê, né? Mas esse filme é muito importante para mim. Toda vez que fico chateada por causa do coraçãozinho, dou uma (re)assistida pra chorar um pouco com esses dois (Joel e Clementine). Ele realmente ganhou o Oscar por Melhor roteiro original.

10671433198525_applauses

 

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais. Para ler todas as blogagens coletivas do Rotaroots, clique aqui. Quer participar? Então faça parte do nosso grupo no Facebook e inscreva-se no Rotation.

A complexidade dos personagens Antonionianos

ANTONIONI

Um dos diretores italianos que admiro além da conta é o Michelangelo Antonioni. Seus personagens são intensos, solitários, perturbados, inquietantes e, até porque não, cansativos. Para quem não sabe, ele fez a Trilogia da Incomunicabilidade (A Aventura [60], A Noite [61] e O Eclipse [62]). Segundo o próprio, os três filmes propõem mostrar a dificuldade das relações humanas, resultando em sentimentos como ansiedade e incompletude. Antonioni também faz uma crítica aos danos causados pelo capitalismo. A trilogia conta com minha musa capilar, Monica Vitti, que teve um romance com o diretor.

Se, na década de 60, a impossibilidade da comunicação já era um fato mais do que consumado, imagina hoje que afundamos os rostos em nossos smartphones? Eu, por exemplo, tenho uma certa dificuldade em me expressar sentimentalmente. Vou bem até um certo momento, mas quando presto atenção em detalhes pequeninos, fico tensa e começa a explosão de chorume emocional. As pessoas andam mais rasas do que nunca e desistem muito rápido do outro. Pra que entender a pessoa ao lado, se as janelas de chats estão piscando por aí?

É muito cansativo ter essa urgência em querer amar alguém, se você não encontra um ser humano disponível emocionalmente. Talvez o erro maior é a tal afobação em fazer dar certo, quando o medo, a possessividade, a falta de comunicação e a insegurança imperam. Um comparativo tosco que fiz esses dias: o amor é meio parecido quando você começa a fumar e acha que não vai viciar. Quando menos espera acaba com três maços por dia. Perdeu o controle total. To-da vez acredito que sairei ilesa ou serei feliz, e a realidade geralmente é oposta disso. DESMOTIVADOR, devo dizer.

Alguns dos personagens do Antonioni são misantrópicos, neuróticos e entendiados – características estas, que nos aproximam deles.  Separei alguns stills que me identifico muito.

A NOITE

Vou começar pel’A Noite porque é meu predileto da trilogia. O filme é sobre um casal (Mastroianni e Moreau) que está de saco cheio um do outro. Os dois visitam um amigo no hospital e depois vão para uma festa da high society italiana onde conhecem outras pessoas, inclusive a personagem maravilhosa da Monica Vitti. Aqui tem uma resenha muito bacana a respeito, mas devo dizer que o diálogo entre os personagens principais são certeiros para aqueles que sofrem de tédio (seja sozinho ou acompanhado).

antonioni - a noite
minha vida
antonioni-anoite2
Quando você se sente sozinha, mesmo estando casada…
antonioni - anoite1
Sim! Chama-se Karma sentimental

O Eclipse

Um filme pesado, um pouco arrastado, porém, com um final arrebatador. Vitti chega com uma personagem que acabou de terminar seu relacionamento e conhece um corretor da Bolsa de Valores, papel do belo Alain Delon (<3). O romance dos dois parece incerto e confuso – como tudo na vida. Antonioni mostra – mais uma vez – o engessamento das relações e a chatice da rotina capitalista. Aqui tem um resenha boa.

antonioni-eclipse
queria não ter te amado, ou ter te amado melhor – ASS: EUZINHA
antonioni-eclipse2
Duas pessoas não deveriam se conhecer tão bem, caso elas queiram se apaixonar. e aí? sim ou não? falta de comunicação? revele menos?

A Aventura

Esse é o primeiro da tríade e o deixei por último mesmo. É a história de amigos que vão passear numa ilha inabitada da Sicília, e uma das meninas briga com o namorado e some. Os amigos vão atrás da moça, e durante esta busca é possível analisar o vazio existencial, tédio e a frustração dos personagens. Aqui tem uma crítica bacana a respeito.

antonioni-aventura

antonioni-aventura2

antonioni-aventura3

ADENDO: Deserto Vermelho

Deserto Vermelho é certamente meu filme predileto do Antonioni. Inclusive, já citei a Giuliana, personagem da Vitti, aqui. Além de ser o primeiro filme colorido do diretor, também é um dos mais densos. Imagina morar em uma cidade industrial com poluição excessiva, neblina, frio etc? Pensou em qualquer capital desse mundão velho de meu Deus? Eu também! Pois este filme continua com o tema da incomunicabilidade, tédio, solidão, vazio existencial e, principalmente, a neurose urbana. A personagem de Vitti é solitária, angustiada, não possui muito traquejo social – resultado de seu isolamento e, muitas vezes, é agressiva. Traumas pessoais e o capitalismo industrial são os grandes culpados do tormento da mulher em questão. Ao conhecer um dos funcionários de seu marido – dono de uma usina – Giuliana parece menos entendiada e consegue expressar sua agonia perante o mundo. Aqui tem uma resenha legal.

antonioni-deserto5

antonioni-deserto6

antonioni-deserto3
Minha terapeuta falava isso pra mim também
antonioni-desertovermelho
Minha vida toda eu segurei esse mapa mundi procurando um lugar pra me sentir melhor. Fugir realmente não adianta porra nenhuma. Leia isso aqui e entenda

“I’ve learned to value failed conversations, missed connections, confusions. What remains is what’s unsaid, what’s underneath. Understanding on another level of being.” ―Anna Kamieńska [daqui]