Design

Ilustração + cotidiano: The Illustrienne

 

the_illustrienne 2

Ilustração e moda andam juntas. Sem a ilustração seria difícil passar a ideia e nada sairia. A ilustradora Karen Koh que o diga. Formada em Fine Arts na UCLA, tornou-se estilista pela FIT em Nova York e Polimoda em Florença, na Itália. Karen trabalha de dia como fashion designer e à noite faz as vezes como ilustradora de moda. Respira fashion e arte 24h. Ah, ela é apaixonada por comida também! Seus croquis são incríveis e costumam brincar com textura, além de mostrarem sua visão de cada semana de moda – sem jamais esquecer de fazer menção às maquiadoras.

the_illustrienne 9

Seu site, The Illustrienne, é a união perfeita da palavra francesa “quotidienne” e ilustração. Karen, the illustrienne. 

Para segui-la Facebook | IGSite

A aquarela de Coreena Lewis

Coreena Lewis 7

Coreena Lewis é uma designer canadense que faz um trabalho adorável com aquarela. A artista também costuma publicar projetos que ficam arquivados na categoria Pretty Secrets. Em parceria com outras meninas, já foram publicados quatro livros/zines com direção artística dela. O objetivo é celebrar a criatividade como indivíduo e três edições incluem escrita, arte, poesia e comics que são enviados por pessoas talentosas e inspiradoras.

As ilustrações de Coreena são um mix de assuntos como: séries, sentimentos, música, feminismo, animais, relacionamento, entre outros. Tudo com um toque mais sarcástico que adoramos. Para segui-la aqui.Coreena Lewis 6

 

Pop art com Nicole Heere

Nicole Heere é uma artista de New Orleans que costuma fazer os famosos mashups do universo geek com ocasiões comuns, além de sátiras com as donas de casas americanas dos anos 50 adequando ao mundo moderno. O mais interessante é que Nicole produz somente com tinta óleo em tela, usando muito pouco as ferramentas digitais.

Segundo a artista, seu intuito é pintar pop art com uma perspectiva feminista e ridicularizar os esteriótipos masculinos e femininos a fim de empoderar as mulheres e desafiar a noção da hipermasculinização. Outra visão de Nicole é tratar da obsessão americana com super heróis ao representá-los em momentos ordinários – que ela considera como uma deturpação ingênua dos “bons tempos”.

nicole heere 2

Para seguir: FB | IG

A arte de Tamara de Lempicka

tamaraDesde o final de janeiro, ando meio obcecada com o trabalho da Tamara de Lempicka. Resolvi apresentar por aqui também: nascida como Maria Górska em uma família abastada da Polônia, a artista estudou em um colégio interno na Suíça e logo casou-se com o advogado Tadeusz Lempicki. Durante a Revolução Russa em 1917, seu marido foi preso, fazendo com que o casal partisse para Paris. Maria adotou o nome Tamara de Lempicka e começou seus estudos na arte com Maurice Denis e André Lhote.

Por volta de 1923, Tamara teve uma grande evolução artística e já participava de exposições em galerias renomadas. Seu estilo era único e ousado para a época, considerado por alguns como cubismo suave com toques do modernismo de vanguarda da art déco. Para sua primeira grande exposição em Milão, no ano de 1925, a pintora trabalhou em 28 obras em seis meses. Depois disso, tornou-se uma referência de sua geração e membros da nobreza europeia encomendavam retratos com ela.

tamara-de-lempicka-autopotrait
autorretrato famoso

Além disso, a artista vivia intensamente sua vida social, sendo famosa por sua beleza física e pelos seus casos bissexuais. Por conta disso, seu marido pediu o divórcio em 1927. Tamara via muito pouco sua filha Kizette que foi retratada em vários quadros.

Tamara de Lempicka morreu no México nos anos 80 com 81 anos muito bem vividos. Suas mulheres com olhares lânguidos, hipnotizantes e cores fortes estão vivas até hoje graças ao seu trabalho. Aqui é possível conhecer mais sobre sua vida e obra.

Ilustra Brasil: Felipo Rolim

Felipo Rolim gosta de falar de amor. E eu respeito muito pessoas que gostam de falar sobre amor de verdade, sem culpa, sem medo, sem ironia, sabe? Tão difícil hoje em dia. Todo mundo tem preguiça do outro por causa de cicatrizes no coração. Por que a gente não supera e vai pra frente? Eu AMO falar de amor, mas sou muito intensa e, quando começo, vou do otimismo ao pessimismo em segundos. ENFIM.

Felipo mora em Curitiba e, além de ilustrar coisas do sentimento profundo que é o amor, também é ator. Pra quem gosta de delicadeza de traços e palavras (geralmente de poemas e músicas), o trabalho desse artista é uma boa pedida.

Felipo Rolim 6

 

Para seguir: FB | IG