Tattoo

Entrevista: Liz Minelli Art

lizminelliartstudio 9

Hoje é dia conhecer uma tatuadora brasileira, a Liz Minelli. Com um trabalho de blackwork impecável, a carioca de 21 anos começou a tatuar com 17 e este ano resolveu dar uma volta pelo Brasil a fim de marcar a pele de paulistanos, gaúchos e o que mais puder. A ilustradora e art school drop-out – com muito orgulho, como me contou – tem uma influência artística bem interessantes que vai de doom metal a David Lynch. Para conhecê-la um pouco mais, mandei algumas perguntinhas. Ó só:

1) Antes de tudo, conte como surgiu o interesse em ser tatuadora. O que fazia antes?
O interesse em ser tatuadora surgiu bem nova, por volta dos 14 anos, quando meu antigo professor de arte no colégio, Jayme, me mostrou umas revistas de tattoo. Foi uma epifania, eu queria fazer aquilo, mesmo sem ter a mínima noção de como. Parecia algo tão distante e impossível, mas anos depois, estamos ai! haha
Antes de ser tatuadora eu não segui nenhuma profissão em específico, era apenas estudante, inclusive de artes, na UFRJ.

2) Conte um pouco sobre suas influências artísticas
Minhas influências artísticas são tantas, desde musical à literária, todas tem grande peso na minha arte. O movimento post-punk dos anos 80, doom metal, love metal, goth rock, Poe, Lovecraft, Plath, Michael Hussar, horror clássico, David Lynch, Argento… são tantos. Na tattoo sou muito influenciada por artistas como Kurt Staudinger, Paul Booth, Carlos Torres, Megan Jean Morris, Kat Von D, entre outros.

lizminelliartstudio 10

3) Se pudesse ser tatuada por alguém que admira muito, quem seria?
Gostaria muito de ser tatuada pelo Niki Norberg ou pelo Kurt Staudinger, que no momento são minhas grandes influências.

4) Quais são os projetos pra 2016?
Meus projetos pra 2016 já estão sendo colocados em prática: tatuar bastante, estudar muito desenho/pintura e viajar! Viajar e tatuar pelo Brasil, e futuramente, fora também.

lizminelliartstudio 4

5) Qual dica você dá para quem quer começar a profissão como tatuadora?
A dica que eu dou pra quem quer começar a profissão como tatuadora é: DEDIQUE-SE. Se quiser viver da tatuagem e não ser apenas mais um, dedicação é fundamental. E por fim, muita calma, persistência, foco e HUMILDADE! Sinto que falta muito isso no meio.
Ser uma tatuadora, mulher, num meio muito mais marcado pelos homens, é um desafio. Por isso temos que nos dedicar e provar a cada dia que somos profissionais, que temos capacidade e que a arte não tem sexo. Arte é arte, e todos tem o direito de se expressar através dela, da maneira que for.

Para segui-la: Facebook | Instagram

Tatuagem tigre e pantera old school

Hoje o post é uma continuação do drops que soltei no Facebook por esses dias. De um tempo pra cá fiquei meio obcecada em querer tatuar um tigre no corpo. Na cultura da tatuagem old school é muito comum tatuar tigre ou pantera negra. Apesar disso, nunca tive pira em fazê-lo, surgiu somente agora.

Segundo o site Arte no Corpo, inicialmente tatuar esses felinos era somente estético, não tinha nenhum significado especial. O tatuador Amund Dietzel achou interessante introduzir a pantera em seu portfolio e ficou meses praticando até sair a pantera rastejante que virou um símbolo do tradicional em 1900.

por chong @ dandyland san antonio, tx
Por Chong @ dandyland, San Antonio, Texas

Hoje em dia o significado é sobre liberdade e poder, já que a pantera e o tigre estão no topo da cadeia alimentar e não se preocupam com as leis da floresta, representando, assim, opressão às regras e transgressão. Além desses animais viverem livres, também é observado como eles se movem, sempre de maneira rápida. Isso simboliza a velocidade da vida e suas mudanças. Selecionei alguns trabalhos dando mais atenção ao tigre (que pretendo tatuar). A maioria das tatuagens da galeria a seguir pertence ao maravilhoso Samuele Briganti (meu tatuador favorito).

meow

Tatuadoras Brasileiras – parte 2

Dando continuidade ao post das tatuadoras brasileiras! Veja a primeira parte aqui. Ainda estou devendo de outras regiões do país.

ELISSA ROCABADO – SÃO PAULO

Já faz um tempo que estou pra fazer um post sobre a Elissa. Tenho algumas amigas que tatuaram com ela e o estilo blackwork com estudo botânico começou a ficar mais conhecido no Brasil por influência dela. A tatuadora deu um breve stop em sua antiga profissão – designer de moda – para dedicar-se à tatuagem e deu muito certo. Além de tatuar, também faz ilustrações e prints. Só segui-la no Facebook.

ELISSA ROCABADO 2

ELISSA ROCABADO 3

ELISSA ROCABADO

MELISSA KHOURI- SÃO PAULO

Conheci o trabalho da Melissa por meio da minha mig Bia que fechou meia manga com ela. Um trabalho majestoso com criações bem exclusivas. A tatuadora já trabalhou no famoso Tattoo You em SP e hoje tem seu próprio estúdio. O talento dela não se restringe apenas a um estilo e você encontra old school, blackwork, neo tradicional, entre outros. Para segui-la no Facebook e Instagram.

Melissa Khouri 2

Melissa Khouri

Melissa Khouri 3

LUIZA FORTES – RIO DE JANEIRO

Luiza começou a desenhar por incentivo da sua vó, a artista plástica Lygia Pape. Depois de uma década produzindo quadrinhos japoneses para a revista independente Taari, a artista passou em Desenho Industrial com 17 anos. Na mesma idade, Luiza se interessou por tatuagem e um ano depois começou a tatuar em amigos. Em 2009, tornou-se profissional e desde então vem mostrando um trabalho cada vez mais interessante. Seu estilo é abstrato, new school e oriental. Já passou por estúdios no RJ, Berlin, Londres, Hamburgo e Estocolmo. Em 2013, ela abriu o ART LINE TATTOO STUDIO, em Botafogo, no Rio de Janeiro. Para segui-la: Site | Fanpage | Instagram

LUIZA FORTES 2

LUIZA FORTES 3

LUIZA FORTES

ANA LUISA MEDEIROS – NATAL

Ana Luísa é de Natal-RN e já quis ser veterinária, bailarina e manicure. Formada em Arquitetura e Urbanismo, atua como tatuadora e quadrinista com o Tiraninha. Tem seu estúdio, o INKAna e costuma fazer o que acha bonito e acredita.

ANA LUISA

ANA LUISA 2

ANA LUISA 3

Tatuadoras Brasileiras – parte 1

tattoo meninasNão é de hoje que escrevo posts a respeito de mulheres que estão no mercado de tatuagem. Por muitos anos foi uma área exclusiva para homens. Ainda existe muito machismo neste universo, infelizmente. Já ouvi relatos de meninas que estão começando e foram maltratadas ou exploradas como aprendizes em alguns estúdios de tatuagem. Profissionais que não dão oportunidade e só ajudam basicamente os meninos ou fazem graça das meninas que estão começando, entre outras barbaridades que dão nojinho. Ainda bem que não preciso generalizar, pois conheço estúdios que não travam essas batalhas de gênero e enxergam o potencial do profissional, sem se importar se é mulher, trans ou homem, hétero ou gay etc. Já até falei da drag queen que é tatuadora, então pessoal, é uma questão única e exclusivamente de talento.

São várias técnicas hoje em dia e um público cada vez mais abrangente. Ano passado fiz um post em homenagem ao dia das mulheres com algumas minas brasileiras que arrasam e dia desses também falei de uma das primeiras tatuadoras no Reino Unido. Sem esquecer das tags sobre tatuadoras aprendizes. O importante é ajudar na divulgação dos trampos bonitos e é o que vou fazer hoje!

JANA SIRENA – CURITIBA

Tatuei recentemente com a Jana que, além de ser uma profissional bem competente, é uma pessoa bem humorada e divertida. Conversamos bastante a respeito do que foi dito acima e é um dos motivos para eu iniciar com ela. Jana tatua há 9 meses e trampa no Broken Ink. Sua especializada é blackwork e temas botânicos. Você pode encontrá-la no Facebook.

jana sirena 2

jana sirena 3

jana sirena
essa é a minha <3

PÉTALA CAVALCANTI – CURITIBA

Com esse nome lindo, a maranhense que mora em Curitiba foi indicação da Jana e faz tattoo com amor. O trabalho é blackwork com traços finos e delicados. Vale a pena conhecê-la e seguir a fanpage.

petala cavalcanti 2

petala cavalcanti 3

petala cavalcanti

IVY SARUZI – PORTO ALEGRE

A Ivy foi indicação da Vica e o trabalho dela também é um blackwork belíssimo. Você pode encontrá-la na fanpage do estúdio thINK art club.

ivy saruzi 2

ivy saruzi 3

ivy saruzi

GIOVANA MARSURA – FLORIPA

Pelo visto o primeiro post será com as mina do Sul do país, mas não tem problema que outros posts com regiões diferentes estão por vir! A Giovana é de Floripa, trabalha na Casamata e foi indicação da Gabriela da Bendita. Também trabalha com blackwork e tem peças incríveis.

GIOVANA MARSURA 2

GIOVANA MARSURA 3

GIOVANA MARSURA

Aguarde a parte 2! Se tiver alguém pra indicar, só comentar. :)

A tatuagem forte de Dani Queipo

Dani Queipo 14Se você curte estúdios de tatuagem, sabe que o Seven Doors Tattoo em Londres é bem cotado, certo? Pois bem, o espanhol Dani Queipo trabalha por lá e é conhecido por suas peças com traço forte e cores primárias. Dani – que hoje mora no Reino Unido – começou a se tatuar com 15 anos e ficou apaixonado pelo ofício. Aos 16 anos guardou o dinheiro de seu primeiro freela e, aos 18, já tinha uma graninha para comprar seu equipamento de tatuagem.

Na Espanha ele trabalhou em diferentes estúdios e cresceu como tatuador. Mas foi como convidado em outros lugares que novas oportunidades começaram a surgir. Depois de muito estudo e boas experiências no Tattoo Circus, em Madrid, seus colegas de profissão Deno e Jordix– donos/sócios do Seven Doors Tattoo – convidaram Dani para ser residente do estúdio. Ele nem hesitou em aceitar.

Para o tatuador existe uma grande diferença em tatuar em Londres e Barcelona. A primeira cidade é conhecida por ser um grande centro turístico na Europa e pela tradição de tattoo. “Eu vejo pessoas mais velhas com tatuagens e isso é super excitante porque todo mundo aceita tattoos como algo normal na sociedade. Isso é completamente diferente na Espanha, pois somente agora que as tatuagens estão começando a ser aceitáveis e não tem grande seguidores dessa cultura por lá”, conta na Sang Bleu Magazine.

Dani tem um trabalho de respeito com suas tatuagens clássicas e fortes, sempre estudando para que sua arte fique cada vez melhor.

Para segui-lo: Instagram | Tumblr